SEO: Palavras-chave e o conteúdo perfeito para sua loja virtual!

Apareça em destaque com as palavras chaves!

Palavra-chave é o termo que o consumidor usa para se expressar em um mecanismo de busca. O consumidor deseja localizar algo, que pode ser um produto, serviço ou qualquer outro tipo de informação. Então, as palavras-chave são os elos de ligação entre o mecanismo de busca e a sua loja virtual.

Palavra-chave é o termo que o consumidor usa para se expressar em um mecanismo de busca. O consumidor deseja localizar algo, que pode ser um produto, serviço ou qualquer outro tipo de informação. Então, as palavras-chave são os elos de ligação entre o mecanismo de busca e a sua loja virtual.

No processo de pesquisa de palavras-chaves, você deve entender o perfil de busca e as palavras relacionadas mais utilizadas. Isso facilita sua compreensão acerca das necessidades do consumidor.

Veja só, se você foi até um mecanismo de busca, inseriu alguns termos e chegou até este artigo, você as utilizou aquelas palavras-chaves que fizeram parte do desenvolvimento deste conteúdo.

É desta forma que o consumidor se comporta: primeiro surge a necessidade e a partir deste momento ele vai até um mecanismo de busca, como o Google, por exemplo. Ele escreve ali as palavras mais próximas ao que deseja encontrar.

Neste artigo iremos entender como identificar o nível de maturidade do consumidor em relação ao seu produto. Nos basearemos nas palavras-chave usadas para conhecer essa informação.

Como observamos no artigo anterior sobre meta-tags, usar palavras-chaves relevantes é fator essencial para sua loja virtual ser encontrada.

Neste artigo iremos abordar os seguintes temas:

O que são palavras-chave?

Já sabemos que os termos utilizados nos buscadores são conhecidos como palavras-chave e que eles são o principal recurso em uma pesquisa. Agora vamos entender na prática como isto funciona.

O objetivo principal das palavras-chave é associar seu conteúdo ao consumidor. Vamos a um exemplo prático: Um lojista que vende bicicletas decide criar um anúncio para vender pneus. Ele descreve da seguinte forma:

Os melhores preços de pneus do Brasil. Confira!

Em sua lista de palavras-chave ele inclui algo como: promoção de pneus, pneu com frete grátis.

O que podemos observar de errado neste anúncio?

Ainda que pneu seja o produto que ele queira vender, estamos tratando de um termo muito genérico. É o que conhecemos como head tail, que falaremos logo a seguir.

Veja a estimativa do Google para a palavra pneu e logo em seguida para a palavra pneu para bicicleta. Esta última é, por sua vez, uma palavra do tipo middle tail. Significa que ela é mais próxima do que o consumidor realmente procura e está associada a uma concorrência relativamente menor:

Neste caso, a estratégia da cauda curta ou head tail não será boa para este lojista. Em primeiro lugar, se ele estiver pagando por clientes, a maioria esmagadora não terá perfil de cliente. Essa maioria poderá estar em busca de pneu para caminhão, para automóvel ou qualquer outro tipo de veículo.

Se ele não estiver pagando pelos clientes, ainda assim o volume de acessos recebidos distanciados do perfil da loja virtual irá gerar gastos com a infraestrutura dela, ok?

E é aí que entra a chave, ou seja, o segredo.

Com o procedimento de criar palavras compostas, você consegue identificar o perfil do público que você procura e o nível de interesse de cada usuário. Portanto, você garante um público muito mais direcionado aos seus objetivos.

Há alguns anos, cometi um erro destes na criação de um anúncio para minha empresa de e-commerce. Foi um erro aparentemente simples, mas que em poucas horas consumiu todo meu orçamento diário. Veja:

Minha empresa, a NEW Kreative, é especializada na criação de lojas virtuais. Ou seja, nós implantamos plataformas de e-commerce e nosso objetivo é criar um anúncio para atrair clientes interessados neste serviço.

É por isso que entre as palavras-chave utilizadas estava o termo “loja virtual”.

Algumas horas depois de usar “loja virtual”, o susto: praticamente todo orçamento do dia tinha acabado e sem uma conversão sequer.

Mas, afinal, o que houve? Vou te contar:

Imagine que você está interessado em comprar um celular da Vivo. Então você vai até o Google e digita: loja virtual da Vivo

E adivinha quem aparece em primeiro lugar? Isso mesmo, meu anúncio.

O anúncio possui uma descrição que deveria alertar o consumidor quanto ao conteúdo do site. Mas, como o volume de pesquisas para este termo é muito grande, muitos simplesmente acreditaram ser aquele o conteúdo que estavam procurando. Apenas pelo fato dele estar na primeira posição. Como consequência, além do valor gasto desnecessariamente, a taxa de rejeição de meu site subiu. Isso porque, logo depois de acessar, o consumidor fecha o site, já que entende que não é o que ele procura.

Entendeu a importância de escolher a palavra-chave correta? Então, vamos continuar, temos muito a aprender neste artigo.

Palavras-chave estratégicas

Agora vamos falar de estratégia, que, segundo o dicionário, se define em:

Arte de utilizar planejadamente os recursos de que se dispõe ou de explorar de maneira vantajosa a situação ou as condições favoráveis de que porventura se desfruta, de modo a atingir determinados objetivos.

Ou seja, com objetivo de atrair mais clientes para sua loja virtual, você pode utilizar-se dos recursos que dispõe: conhecimento de seu produto. Também pode explorar de maneira vantajosa a situação. Ou seja, pode extrair as melhores palavras-chaves para suas páginas ou anúncio, certo?

Você pode oferecer um produto com preço, qualidade e facilidades de pagamento. Mas se este produto não chegar até seu cliente, ou seja, ao seu público alvo, ele não será vendido. Logo, utilizar-se de palavras-chave pode ligar seu potencial cliente ao seu produto. Além disso, sua página pode receber compartilhamentos, curtidas, levando ao resultado que sua empresa espera.

Na hora de criar seu conteúdo, essa estratégia será fundamental. Sem ela, tudo que você terá é um monte de palavras-chave jogadas a esmo em seu conteúdo, diminuindo as chances de atrair mais e mais cliques.

Faça perguntas e procure entender a quem seu produto pode ajudar. Certamente ele satisfaz a necessidade de alguém. Qual é esta necessidade?

Com base nesta resposta, você conseguirá iniciar a busca de palavras-chave que:

• satisfaçam a necessidade de seu público
• atendam suas expectativas.


Assim, o que antes era um monte de palavras aleatórias distribuídas em seu conteúdo simplesmente porque acusavam um maior volume de pesquisa, passam a ser palavras que se encaixam estrategicamente na solução de um problema ou satisfação de uma necessidade.

Antes de falar sobre o nível de maturidade de seu cliente em relação à busca, precisamos compreender que a palavra-chave deve considerar algumas características, como: volume de pesquisa, relevância e intenção.

A intenção pode ser classifica em:

  • Navegacional
  • Informacional
  • Transacional


Navegacional

Um consumidor interessando em acessar a loja virtual de sua empresa pode simplesmente digitar o endereço (URL) na aba de pesquisa. Então, ele é direcionado para sua loja virtual. Esse é um procedimento que se popularizou muito com o uso de navegadores integradores dos mecanismos de busca na barra de endereço.

Da mesma forma, o consumidor pode pesquisar pelo nome da empresa, por exemplo: NEW kreative – Implantação de E-commerce. Lá estará na primeira posição o site da empresa.

Informacional

Quando o consumidor entra no mecanismo de busca e não quer localizar, mas sim obter uma informação sobre determinado assunto, essa intenção se classifica como informacional

Transacional

Já nesta intenção, entende-se que o consumidor pretende comprar ou contratar algum serviço. Veja o exemplo: Criação de loja virtual em Sorocaba

Ainda que o termo “criação de loja virtual” pudesse ser utilizado para desenvolvedores em busca de conhecimento técnico, a citação de um local deixa claro que há uma intenção de compra ou contratação de serviços.

Agora vamos entender como podemos classificar o nível de intenção do consumidor de acordo com as palavras-chave:


Na imagem acima utilizamos um funil para ilustrar o processo que vai desde a escolha do produto (um celular, por exemplo) até a conversão, ou seja, a compra.

Na opção 01, ilustramos um consumidor em sua fase inicial de pesquisa.

Ele precisa de um celular e vai pesquisar termos que se associam à sua necessidade, que pode ser:

• lançamento do ano
• melhor câmera fotográfica
• melhor processador

Enfim, o consumidor ainda não sabe qual é o modelo, logo sua busca é mais genérica. É nessa fase que o conteúdo oferecido por você deve informa-lo, dar opções. Talvez seu anúncio neste momento não deva apontar direto para sua página de produto e sim para uma página informativa dentro de sua loja virtual ou blog associado. Aí você mostra, por exemplo, quais são os lançamentos de 2019 e fala dos atributos de cada modelo que você vende. Acontece que, à medida que você descreve um modelo, você pode adicionar links para sua página de produto.

Em seguida, após pesquisar, o cliente optou por procurar um celular da Samsung. Então, considerando que uma maior quantidade de usuários busca por lançamentos e apenas parte deles decide pela marca Samsung, podemos considerar que o funil ficou mais estreito. Ou seja, o funil passou a ter um volume menor de usuários.

No próximo estágio, o usuário já sabe qual modelo deseja comprar. Agora é o momento ideal para suas ofertas, pois o consumidor está muito próximo da saída do funil, ou seja, da conversão. Então, aproveite esse momento para propor ofertas e vantagens.

Se mesmo depois de procurar o usuário não encontrou o que queria, no próximo passo ele será mais direto. Ele irá pesquisar por aquilo que agrega valor a ele. Então, se suas palavras-chaves estiverem pensando nas necessidades de seu cliente, é muito provável que você tenha um anúncio na manga para ele.

No marketing, estes conceitos são conhecidos como cauda longa (long tail). Significa que as palavras que estiverem no final da cauda terão um volume menor de pesquisas, porém com maior chance de conversão.

Entendemos que um mesmo consumidor possui fases diferentes de busca. A busca pode durar semanas, dias ou mesmo minutos.

Logo, cada palavra-chave deve responder questões específicas de cada fase. O conteúdo ou anúncios do seu e-commerce devem acompanhar o usuário em cada uma destas etapas.

Tipos de palavras chaves

Criado por Chris Anderson, foi inicialmente usado por grandes marcas.

Este conceito representa a possibilidade de vender produtos mais específicos.

Elas podem ser classificadas em três tipos:

  • Cauda curta ou head tail: essa normalmente é a principal palavra do negócio ou conteúdo que está produzindo. Ela é mais concorrida nas buscas. Porém, seu resultado é mais genérico. Um exemplo: e-commerce.
  • Cauda média ou middle tail: já se aproxima do resultado que o consumidor espera. Sua concorrência é menor que a da cauda curta. No entanto, ela demanda estratégia de definição. Exemplo: Implantação de e-commerce.
  • Cauda longa ou long tail: são aquelas palavras com menor frequência de pesquisa, mas que se aproximam muito do momento de conversão do seu consumidor. Isso é porque essa palavra entrega o resultado mais próximo da necessidade. Por exemplo: “Criação de loja virtual em Sorocaba”. Ou seja, se meu conteúdo estiver relevante para este termo, minhas chances de resultado concreto serão altas.

As palavras de cauda longa aumentam suas chances de aparecer entre as primeiras posições do Google. Além do exemplo acima, veja este:

Faça no Google uma busca por um termo comum, como bicicleta. Esta palavra pode ser posicionada no canto superior esquerdo do gráfico, onde há um volume muito grande de resultados e praticamente todas as lojas que vendem bicicleta estarão disputando por um lugar na primeira página. Esta é a head tail ou cauda curta.

Agora vamos utilizar uma palavra no final da cauda, por exemplo: bicicleta speed carbono.

O volume de pesquisa para este termo é muito menor. Logo, se você tiver um conteúdo que trate este tema com excelência e palavras-chave estrategicamente posicionadas, suas chances de conquistar a primeira página sobem significativamente.

Agora considerando este exemplo, procure estudar para cada grupo de palavras-chave quais estão no início e no final da cauda. Então você poderá criar conteúdo e anúncios para o final da cauda. Como a concorrência aí é menor, o valor pago por clique no caso dos links patrocinados será muito mais baixo também. Mas fique atento! Para essa estratégia funcionar, você precisa ter um volume maior de conteúdo e anúncios para a cauda longa. Afinal, o volume de cliques é menor, porém sua conversão é muito maior que o início da cauda.

Essa estratégia é muito funcional para nichos e produtos pouco conhecidos, embora não se restrinja somente a eles, como citado acima. Se for bem utilizada, pode reduzir seu custo em aquisição de clientes e aumentar sua conversão significativamente.

Palavras-chave negativas

As palavras-chave negativas têm um papel de grande importância em sua estratégia de conteúdo.

Lembra do exemplo que comentei agora pouco sobre um anúncio que fiz com o termo “loja virtual”?

Como citei, recebi inúmeros cliques. Mas eram de pessoas procurando pela loja virtual da Vivo, da Claro, ou outras grandes lojas virtuais do país. Mas então, o que eu fiz?

Eu poderia focar meus anúncios em palavras como “criação de loja virtual”, “desenvolvimento de loja virtual”. Mas eu queria trabalhar o termo “loja virtual” também. Então, aí entraram as palavras negativas.

No gerenciador de anúncios do Google Adwords estão exibidas quais palavras foram utilizadas para ativar meus anúncios. Portanto, fiz um levantamento em todas daquele período. Expandi a busca usando o mesmo conceito para outras possibilidades. Então criei uma lista de palavras como: “loja virtual da vivo”, “loja virtual da net”. Utilizando um tipo de correspondência no termo do meu anúncio e criando uma lista negativa de palavras, consegui exibir meu anúncio para o público que realmente me interessava.

A sugestão de conteúdo do Google também é muito útil, tanto para palavras-chave normais quanto para negativas. Veja um exemplo:

O próprio Google sugere palavras que possuem um grande volume de pesquisa. Significa que, se pessoas que buscam o termo “loja virtual grátis” não são meu público alvo, então essa é uma palavra que vou negativar. E assim com os demais exemplos.

O que vale é a intenção!


No passado, o Google utilizava-se de correspondências exatas. Textos que tivessem sua palavra-chave exata em seu conteúdo melhorariam seu posicionamento. Nos dias atuais, o Google passou a trabalhar com a intenção.

Sendo assim, se você criar um conteúdo explicando quais as melhores vinícolas do Brasil, apresentando um conteúdo de qualidade, com ilustrações, depoimentos, e um consumidor pesquisar no mecanismo de busca o termo “Qual melhor vinho brasileiro?”, seu conteúdo terá grandes chances de ser exibido. Mesmo que seu conteúdo não possua a correspondência exata da palavra-chave.

Então, criar um artigo buscando solucionar problemas ou necessidades é muito mais funcional do que identificar uma palavra-chave e repeti-la dezenas de vezes sem que ela esteja associada a qualquer contexto. Isso era comum antigamente. Sem qualquer contexto, palavras-chave eram exibidas em menus, rodapés ou até mesmo na parte superior dos sites.

Procure agir com naturalidade na criação de seu conteúdo: use sinônimos, pois cada vez mais o Google amplia a própria capacidade de compreender o contexto e assim fornecer resultados mais relevantes.

Conhecendo a concorrência

Outra forma que pode lhe auxiliar na criação de palavras-chave é conhecer seu concorrente. Prefira estudar aqueles concorrentes que estão trabalhando de forma eficiente o marketing de conteúdo.

No marketing contamos com uma ferramenta chamada Benchmaking. Uma de suas variações é a competitiva, que consiste em analisar as práticas da concorrência, visando superá-las.

Analise o blog, a rede social e a loja virtual de seu concorrente. Entenda o que ele faz e melhore. E se você perceber que seu concorrente não está fazendo algo que você entende ser bom, você encontrou uma oportunidade. Faça.

Uma forma simples de verificar quais as páginas do site de seu concorrente é digitando no Google: “site:sitedoconcorrente.com.br” e você verá todas as páginas do respectivo site.

Ferramentas de palavras-chave


Google Keyword Planner

O Google Keyword Planner é uma ferramenta de palavras-chave utilizada no Google Ads. Você pode utilizar sem custo e não demanda conhecimento avançado para seu uso.

Baseado em suas palavras-chave, a ferramenta oferece uma lista de palavras relacionadas, que você pode utilizar na pesquisa de palavras para seu conteúdo.

Keyword Tool

A Keyword Tool é uma ferramenta muito fácil de utilizar, que gera mais de 500 sugestões por palavras-chave. Também pode ser utilizada para estimativa de pesquisa e investimento.

Google Trends

Google Trends é uma ferramenta muito útil, que lhe fornece informações a partir de termos e quais pesquisas relacionadas os usuários tem feito.

Pense como seu cliente

Muito falamos de palavras-chave, tipos, estratégias que podem ser utilizadas. Mas se você deseja alcançar o sucesso de seu produto através do conteúdo, nunca se esqueça: pense como um cliente!

Isso mesmo! Entenda quais as necessidades, quais os problemas que seu consumidor busca solucionar. Através desta demanda, crie um conteúdo focado na solução destes problemas. Não se esqueça do Google, mas não escreva para ele. Escreva para seu consumidor, sempre procurando auxiliá-lo da melhor forma. E assim seu conteúdo terá grande chance de atrair o público ideal para sua empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *